O Highland Hope (2), 1930

 
Introduction
O vapor Inglês Highland Hope (2) pertencente à companhia Nelson Line, era um navio de 14 000 toneladas que encalhou nos rochedos do Farilhão Grande, a Norte das Berlengas, numa zona conhecida como Bailadeira, com 550 pessoas a bordo.
Na noite de 19 de Novembro de 1930, apenas 1 ano após a sua construção, o Highland Hope (2), devido ao denso nevoeiro que se fazia sentir, encalhou de proa naqueles ilhéus não tendo sido possível a sua remoção pelo que viria perder-se.
Das 550 pessoas a bordo não houve vítimas a registar, devido fundamentalmente à assistência pronta dos barcos de Peniche, na sua maioria embarcações que se dedicavam à pesca. Todos os ocupantes do navio foram transportados para Peniche onde lhes foi dada roupa, comida e abrigo.
A assistência dada pelos habitantes daquela então vila de pescadores, mereceu as honras da visita do Embaixador Inglês no nosso País que premiou financeiramente as tripulações das traineiras bem como entregou um significativo donativo à Misericórdia local.
A companhia proprietária do Highland Hope (2), Nelson Line, bem como os seus representantes Portugueses, a ainda existente E. Pinto Basto e C.ª Lda., não deixaram de agradecer toda a assistência dada através de inúmeros telegramas e cartas enviadas às tripulações de pescadores envolvidas no salvamento, edilidade e outras instituições locais.
Este navio seria posteriormente vendido como salvado, e desmantelado para fundição, com o envolvimento da indústria local de salvados e o recurso a mergulhadores de Peniche, ainda com a técnica do escafandro não autónomo, conhecido por "Pés de chumbo".
No final da década de 40 e início de 50, ainda eram trazidos do Highland Hope (2) grandes quantidades da sua chapa, removida à custa de explosivos, que podiam ser vistas junto a uma das entradas de Peniche conhecida por "Ponte Velha", à espera de serem transportadas para Lisboa.
 
A construção do Highland Hope (2)
O Highland Hope (2), foi construído em 1929 pela empresa Harland & Wolff nos estaleiros de Goven Yard em Belfast na Irlanda. Esta empresa armadora que construiu o Titanic, ainda hoje é uma das principais construtoras mundiais de navios.
Era um navio movido a vapor que transportava passageiros e carga, maioritariamente carne congelada. Com 14 000 toneladas era um importante navio na época e fazia parte dos 6 navios gémeos que esta empresa construiu entre 1928 e 1931. O Highland Hope (2) foi substituído pelo Highland Patriot em 1931, que também se perderia uma vez que seria torpedeado pelo submarino Alemão U-39, a 500 milhas a Oeste de Bishop Rock (52.15N 19.04W), em 1 de Outubro de 1940 quando regressava da América do Sul com destino a Glasgow.
 
A Harland & Wolff
A Harland & Wolff deve o seu nome aos seus dois fundadores Edward James Harland e Gustav Wilhelm Wolff.
Em 1853 Edward Harland, com 23 anos de idade, entra nos quadros do estaleiro Naval Robert Hickson's de Queen's Island em Belfast como gerente do estaleiro. Em 1958 Hickson propõe a Harland a aquisição deste estaleiro pela soma de 5 000 libras, o que é aceite prontamente. Em 1861 com o crescimento que Harland impõe ao estaleiro este sente a necessidade de adquirir um sócio, o que acontece com a entrada de Gustav Wolff seu assietnte, iniciando-se assim a história da Harland & Wolff, que perdura até aos dias de hoje.
Em 1880 produz o seu primeiro motor, terminando a dependência que tinha de outros fabricantes.
Em 1885 a Harland & Wolff inicia um contrato com a White Star Line para quem construiu o incrível número de 52 navios, entre os quais o Titanic, o seu irmão gémeo Olympic de 46 000 toneladas e capacidade para transportar até 2 000 passageiros, o Teutonic, o Majestic, etc,
Em 1895 Lord Pirrie substituiria Edward Harland após a sua morte.
Durante as duas grandes guerras a Harland & Wolff desempenhou um papel determinante na construção naval para o esforço militar, construindo o navio hospital Britannic, afundado durante a I Grande Guerra.
Em 1941 o estaleiro de Musgrave foi bombardeado pela aviação nazi tendo ficado destruídas mais de 60% das suas infra-estruturas. Não obstante este desaire, apenas dois anos após o bombardeamento o estaleiro estava já completamente operacional.
Após a II Grande Guerra a Harland & Wolff continuaria a produzir alguns dos melhores e maiores navios do mundo, como são exemplo os Porta Aviões HMS Eagle e Canberra.
Durante a década de 1950 e 1960 a Harland & Wolff deu os passos finais para se tornar o que é hoje, ou seja, uma das maiores e mais prestigiadas construtoras navais do mundo, produzindo o que de mais moderno a actual tecnologia pode oferecer.
Hoje, a Harland & Wolff Shipbuildind & Heavy Industries, Ltd é a maior empresa da holding Harland & Wolff Holdings, PLC.
 
A Nelson Line e a Royal Mail Lines, Ltd.
A Harland & Wolff construiu o Highland Hope (2) para a companhia Nelson Line que foi formada em 1880 com vista ao mercado do transporte de carne da Argentina para Inglaterra.
Iniciou o transporte de passageiros em 1910, entre Vigo - Las Palmas - Rio de Janeiro - Montevideo e Buenos Aires.
Entre 1880 e 1932 a Nelson Line operou entre Liverpool - Rio de Janeiro - Buenos Aires, e entre os anos de 1910 e 1932 entre Londres - Boulogne - Corunna - Vigo - Rio de Janeiro - Montevideo - Buenos Aires.
Em 1913 foi controlada pela Royal Steam Packet Company e em 1932 foi integrada na nova Royal Mail Lines, Ltd, após o colapso do Royal Mail Group.
 
Fontes Bibliográficas
Mariano Calado, Peniche na História e na Lenda, 3ª Edição, Peniche 1984;
Actas da Câmara Municipal de Peniche, 22 de Janeiro de 1931;
D. Williams, Warti?????????? Disasters at sea;
Duncan Haws, Merchant Fleets, Vol. 6;
Dowden Porsper & Campbell, Ships of the Royal Mail Line, 1953;
H. Leslie, The Royal Mail War Book, 1920;
Stuart Nicol, MacQueens's Legacy - A History of the Royal Mail Line, Vol. 1, 2001;
Stuart Nicol, MacQueens's Legacy - Ships of the Royal Mail Line, Vol. 2, 2001
http://www.theshiplist.com/ships/lines/NelsonLine.html;
http://www.fineartmodels.com/t48_harland.htm;
http://www.shawsvillships.co.uk/h_patriot.htm;
http://newsarch.rootsweb.com/th/read/Mariners/2001-06/0991635245;
http://www.aim25.ac.uk/cgi-bin/Search2?coll_id=4925&inst_id=13;
http://www.harland-wolff.com/history/ashort.htm.
 
 
 

 

Informacao para citacao bibliografica:

Jorge Russo,
2003, A Arqueologia Nautica de Peniche: Index Page, World Wide Web, URL, http://nautarch.tamu.edu/shiplab/, Nautical Archaeology Program, Texas A&M University.